waack e paulo sotero

Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute, do Wilson Center, que aparece em vídeo ao lado do jornalista William Waack quando este afirma, irritado, que o barulho de uma buzina é "coisa de preto", diz que não se recorda do ocorrido.

"Não é algo que tenha ficado registrado na minha memória. A julgar pelo vídeo, reajo a algo que se passa à minha frente no momento em que estou concentrado à espera de um sinal para entrar no ar", diz em nota enviada à reportagem. 

"No vídeo, não consigo ouvir o que o William me diz. Surpreende-me a informação sobre comentário racista. Não acho graça nenhuma em racismo e não creio que o William tenha postura diferente sobre o assunto", completa. 

Após o vídeo viralizar nesta quarta (8), Waack, que desde 2005 apresentava o "Jornal da Globo", foi afastado de suas funções pela emissora. 

"A Globo é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante", afirma a Globo em nota.

No mesmo comunicado, Waack diz não se lembrar do que disse, mas "pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação."

Leia Mais:

William Waack é acusado de racismo após vídeo vazado na internet

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA