incendio humaitaO governador do Amazonas, Amazonino Mendes, determinou o deslocamento de equipes da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), da Casa Militar e da Defesa Civil para o município de Humaitá, no sul do estado, onde prédios de órgãos federais e balsas de garimpeiros foram incendiados na sexta-feira (27). A comitiva vai trabalhar no levantamento de informações e na assistência às famílias que viviam nas balsas e ficaram desabrigadas.

O vice-governador e secretário de Segurança, Bosco Saraiva, disse que será feito um relatório minucioso sobre os responsáveis pelo evento para que o governo tome as providências adequadas, de acordo com a página oficial do governo amazonense. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), informações preliminares apontam que, após uma ação de fiscalização, funcionários de órgãos federais atearam fogo em balsas que também serviam de local de moradia para os trabalhadores do garimpo. Ainda não há informações sobre o número de desabrigados.

Ibama

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou que as unidades do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) Humaitá foram atacadas e destruídas por criminosos, em represália à operação de fiscalização realizada para combater o garimpo ilegal de ouro no Rio Madeira. De acordo com o instituto, as estruturas dos órgãos ambientais foram atacadas; e os servidores, ameaçados.

“Essa atividade ilegal é altamente impactante e causa graves danos ao meio ambiente e à saúde humana, além do risco à navegação. Normalmente associado a diversos outros crimes, como contrabando e sonegação fiscal, o garimpo ilegal financia a grilagem de terras e contribuiu para o aumento da violência no campo. Este cenário exige atuação firme das instituições públicas”, destacou o Ibama, em nota.

Após o incidente, o Ministério do Meio Ambiente acionou os Ministérios da Defesa e da Justiça, as Polícias Federal e Rodoviária Federal e a Força Nacional para resguardarem a integridade física dos servidores que atuam na região. O Ibama diz que os danos materiais serão avaliados assim que a região voltar à normalidade, o que deverá ser garantido pelas forças de segurança pública.

De acordo com o Comando-Geral da Polícia Militar do Amazonas, não houve registro de pessoas feridas com as ocorrências, 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA