Em um vídeo que está sob investigação no Ministério Público Federal de Rio Verde (GO), um militar aparece pisando na cabeça, nas costas e jogando terra no rosto de um soldado no chão. A gravação teria sido feita no interior do 41º Batalhão de Infantaria Motorizado de Jataí, a 327 km de Goiânia (GO).

Nas imagens obtidas pela reportagem e feitas provavelmente com um telefone celular, um soldado no chão é coagido a continuar exercícios físicos. O vídeo acompanha uma denúncia anônima feita ao MPF, que instaurou um inquérito civil nesta quarta-feira (18) para apurar supostas práticas de assédio moral, racismo e "até mesmo tortura", segundo o MPF.

Em resposta, como informou à reportagem, em nota, o Comando do Exército em Brasília, o comando do batalhão determinou a prisão, por 72 horas, dos militares acusados por soldados de terem cometido os maus-tratos no batalhão.

Na representação que deu origem ao inquérito, consta que no ato da apresentação dos novos soldados ao batalhão todos foram instados a dizer se eram "petistas ou defensores dos direitos humanos". Os que assim se identificaram, segundo a denúncia sob investigação, "passaram a ser alvo de uma série de perseguições por parte de seus superiores hierárquicos", conforme texto divulgado pelo MPF de Goiás.

O procurador da República que apura o assunto, Jorge de Macedo, disse que a denúncia, feita de forma anônima, veio acompanhada de áudio e vídeo que conteriam indícios dos abusos contra pelo menos quatro soldados. Entre os militares sob investigação estão cabos e sargentos sob comando de um tenente.

A um soldado negro, um dos suspeitos teria dito que "você é preto, feio e não pode mudar isso".

Segundo o Comando do Exército, além das prisões foi determinada a "transferência interna dos militares que teriam recebido os maus-tratos, para evitar contato entre denunciados e denunciantes, a fim de garantir a correta elucidação do ocorrido". Também foi aberto um IPM (Inquérito Policial Militar).

"Cumpre ressaltar que a Força Terrestre tem, como um de seus valores, o respeito ao indivíduo e à dignidade da pessoa humana, em todas as situações, bem como empenha-se rigorosamente para que eventuais desvios de conduta sejam corrigidos dentro dos limites da lei", afirmou o Comando, em nota à reportagem.

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA