temer comete gafe

Criticado por ter nomeado um ministério sem pluralidade, o presidente Michel Temer fez nesta terça-feira (17) um discurso em que reverenciou as "várias categorias" da classe médica homenageadas no Palácio do Planalto, mas cometeu um deslize ao dizer que o representante indígena "foi até muito aplaudido, como um integrante do Ministério da Saúde", ao ser anunciado na cerimônia em comemoração ao Dia do Médico.

Em um discurso de pouco mais de cinco minutos, Temer disse que via na condecoração aos 12 profissionais "uma amálgama, uma mistura de médicas, médicos e até médico indígena, que foi até muito aplaudido, assim como a senhora representante do Ministério da Saúde".

O presidente falava de Sildo Gonzaga Tomaz, que pertence à etnia Ticuna e é profissional do programa Mais Médicos. Hoje, após estudar medicina em Cuba, Tomaz atente a famílias indígenas no Amazonas.

Ao lado dele, foram homenageados médicos como Raul Cutait, que chegou a ser cotado para o cargo de ministro da Saúde antes da nomeação de Ricardo Barros, e Vanessa Van Der Linden, uma das primeiras a identificar o aumento de casos de microcefalia no país, entre outros.

Dia da mulher

Essa não foi a primeira vez que Temer comete um ato falho em público ao falar de determinado segmento social. Durante evento em referência ao Dia Internacional da Mulher, em março deste ano, ele afirmou que tinha "convicção do quanto a mulher faz pela casa e da importância da figura feminina para a formação dos filhos que, segundo ele, é "seguramente" de responsabilidade da mãe.

Disse ainda que a mulher tem grande participação na economia do país porque é "capaz de indicar os desajustes de preços em supermercados" e "identificar flutuações econômicas no orçamento doméstico".

Entre as 28 pastas de seu ministério, apenas duas são ocupadas por mulheres: a AGU (Advocacia-Geral da União) e Direitos Humanos.

Às vésperas da votação da segunda denúncia contra ele na Câmara, desta vez por obstrução de Justiça e formação de organização criminosa, Temer não quis falar sobre o tema, mesmo quando questionado pelos jornalistas após o evento.

Aceno

O evento desta terça ocorreu poucos meses após uma declaração do ministro da Saúde gerar atrito com entidades médicas, como o Conselho Federal de Medicina e AMB (Associação Médica Brasileira).

Na ocasião, Barros defendeu a instalação de biometria e controle de produtividade em todas as unidades de saúde para evitar casos de médicos que não cumprem a carga horária.

"Vamos parar de fingir que pagamos os médicos e os médicos precisam parar de fingir que trabalham, afirmou, referindo-se ao aumento na remuneração dos profissionais.

Durante a cerimônia no Planalto, porém, o ministro fez um aceno à categoria. Além de homenagear os presidentes das duas principais entidades médicas, frisou em discurso a necessidade de "reconhecimento" do trabalho dos profissionais e disse que queria melhorar a estrutura de trabalho no SUS -uma das principais críticas das entidades.

"Tenho certeza de que isso será visto por toda a classe médica brasileira como nosso efetivo reconhecimento de quem quer fazer gestão para dar aos profissionais médicos e demais profissionais da saúde as melhores condições e equipamentos, insumos e instalações para que possam ofertar a melhor qualidade de saúde a todos os brasileiros", afirmou Barros. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA