dinheiro geddel

O dono do imóvel que abrigava a fortuna de R$ 51 milhões atribuída ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PDMB), Silvio da Silveira, afirmou à Polícia Federal que entregou as chaves do apartamento nas mãos do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) no começo de 2016.

A administradora do prédio, Patrícia Queiroz dos Santos, em depoimento à PF, confirmou as informações de Silveira.

Segundo documentos a que a reportagem teve acesso, ela disse também que já presenciou uma ligação do empresário, do ramo da construção, para "os irmãos" pedindo ajuda para a pavimentação de vias na Bahia.

Silveira disse à polícia que tem relação de amizade com Lúcio há dez anos.

Os depoimentos de ambos foram alguns dos elementos da investigação que embasaram as buscas no gabinete e no imóvel do parlamentar Lúcio Vieira Lima nesta segunda-feira (16).

Depoimentos

O dono do imóvel onde estava o bunker de Geddel contou à PF que inicialmente emprestou a Lúcio o apartamento número 202. A unidade, porém, foi vendida em seguida e, então, disponibilizou o número 201 para o amigo.

O pedido foi feito após a morte do pai dos irmãos, Afrísio Vieira Lima, em janeiro de 2016.

"Que considerando a amizade o declarante concordou prontamente [com o pedido de Lúcio], chegando na unidade 202 juntamento com Lúcio para lhe mostrar o apartamento e lhe entregar a chave. Que na ocasião Lúcio recebeu a chave, mas não trazia consigo nenhum pertence. Que ainda em 2016 a unidade 202 foi vendida e então o declarante ofereceu o apartamento vizinho de frente, ou seja, o 201, o que foi de fato recebido por Lúcio", consta no termo de depoimento de Silveira.

Segundo o empresário, poucas unidades foram vendidas no local. De acordo com apuração da reportagem, há atualmente apenas cinco moradores no edifício.

À PF, a administradora do prédio em que foi encontrado o "tesouro" de Geddel disse que o ex-ministro e o irmão não pagavam aluguel pelo uso do local. Porém, relatou já ter visto Silveira pedir favores à dupla.

"Já viu foi Sílvio ligando para os irmãos, por exemplo, para pedir que vias sejam pavimentadas em acessos de empreendimentos que as empresas do grupo do qual Sílvio faz parte fizeram a construção", declarou, segundo transcrição da PF.

Patrícia disse que os irmãos têm alguma relação com Silveira, não sabendo afirmar se apenas profissional ou de amizade. Ela confirmou que o apartamento foi cedido pelo empresário a "Lúcio e Geddel", para guardar supostamente pertences do pai, que falecera no início de 2016.

A administradora também corroborou com a versão de que os irmãos deixaram "algumas malas e caixas" inicialmente na unidade 202.

"Não pode precisar se foram os próprios Lúcio ou Geddel quem se responsabilizaram (sic) por levar as malas e caixas, já que não estava no local naquela oportunidade", acrescentou. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA