Ministro Moreira Franco. (Foto: EBC)
moreira franco ebc

Citado na delação do operador financeiro Lúcio Funaro, o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) foi às redes sociais neste domingo (15) para desqualificar tanto o depoimento como Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República.

Moreira é alvo da denúncia que tramita na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara por organização criminosa junto com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o presidente Michel Temer, apontado também como tendo praticado obstrução de Justiça.

O ministro diz que a delação de Funaro foi uma "encomenda remunerada" feita por Janot, que já havia denunciado Temer por corrupção passiva. A primeira denúncia baseou-se na delação de executivos do grupo J&F, como Joesley Batista.

"Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar @MichelTemer, após a derrota na 1ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha", tuitou Moreira.

"Flechada que muito antes foi anunciada pelo PGR. Como faltava-lhe bambu, ocorreria a encomenda remunerada da delação de Funaro", completou o ministro, que finalizou: "Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava. #Brasil #Justiça #Política."

As menções a bambu e flecha fazem alusão a uma fala de Janot. Segundo o ex-procurador-geral, "enquanto houver bambu, lá vai flecha".

As declarações de Funaro, divulgadas em vídeo pelo jornal Folha de S.Paulo na sexta-feira (13), implicam o grupo denominado "PMDB da Câmara", do qual faziam parte o presidente Michel Temer e os ex-deputados Henrique Eduardo Alves, Eliseu Padilha, Moreira Franco e Eduardo Cunha. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA