A Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), vinculada ao Ministério da Fazenda, decretou intervenção na Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios. A intervenção durará 180 dias, para exame da situação do fundo e estudo de soluções para a recuperação.

O Postalis é um dos maiores fundos de pensão do país, com quase 200 mil participantes, entre ativos e aposentados. Assim como os dois outros grandes fundos de estatais, Funcef (Caixa) e Petros (Petrobras), o Postalis vem sofrendo com efeitos de ingerência política e má gestão.

Em abril, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a indisponibilidade de bens de ex-gestores da Postalis por "investimentos negligentes e em desacordo com o regulamento de investimentos do próprio fundo", que teriam causado prejuízo de R$ 1 bilhão.

Um de seus planos, o BD, vem sofrendo prejuízos seguidos e já passou por dois processos de equacionamento, nos quais participantes e Correios foram chamados a dar contribuições adicionais para cobrir o rombo.

Atualmente, a contribuição adicional acumulada é de 17,92% dos vencimentos mensais. Na divulgação do balanço de 2016, a direção do fundo admitiu a possibilidade de propor terceira cobrança adicional para ajudar a conter o rombo.

A Previc indicou Walter de Carvalho Parente como interventor na fundação. (Folhapress)

Leia mais:

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA