eduardo cunha 02

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) redigiu uma nota em que ataca a delação premiada do corretor Lúcio Funaro, apontado como antigo operador do parlamentar.

"Repudio com veemência o conteúdo [dos depoimentos de Funaro]. [Trata-se] de mais uma delação sem provas, que visa a corroborar outras delações também sem provas, onde o delator relata fatos [de] que inclusive não participou e não tinha qualquer possibilidade de acesso a informações", escreveu Cunha.

O ex-presidente da Câmara diz que as delações premiadas chegaram "ao ponto máximo da desmoralização". "Basta concordar com qualquer coisa que a acusação encomendar para obter infinitos benefícios."

O movimento de Cunha ocorre no momento em que estão travadas as conversas sobre sua própria delação -que negocia há meses com a PGR (Procuradoria-Geral da República), sem sucesso.

Os investigadores rejeitaram assinar delações com os dois presos, por entender que a dupla atuava em conjunto e forneceria informações semelhantes, o que não justificaria a concessão de benefícios para ambos.

A delação premiada de Funaro foi homologada no início de setembro pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Em seus depoimentos, ele afirmou que Cunha distribuiu propina a diversos aliados, entre eles o presidente Michel Temer. O Palácio do Planalto negou as acusações.

Conforme noticiou a coluna "Painel", da Folha de S.Paulo, Cunha vai acionar a Justiça para tentar anular o acordo de delação de Funaro. Ele alega que trechos de uma proposta de colaboração preparada por ele foram enxertados no acordo do doleiro.

O principal argumento de Cunha é o de que Funaro não participou de muitos dos fatos relatados e que, portanto, não pode prová-los. Aliados do ex-deputado afirmam que seu principal trunfo pode ser o preenchimento dessa lacuna.

Cunha garantiu a esses interlocutores que pode provar que Funaro narrou fatos aos quais não tinha acesso suficiente.

O ex-presidente da Câmara também tenta desqualificar as delações que contaram com a participação do ex-procurador Marcello Miller, suspeito de atuar para a empresa JBS enquanto ainda mantinha vínculos com a PGR. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA