LEIA NO DG AZUL

Os magistrados estaduais de Pernambuco receberão R$ 7 milhões a título de pagamento retroativo de auxílio-alimentação durante as férias.

O benefício foi obtido a partir de requerimento da Associação dos Magistrados de Pernambuco (Amepe) ao Tribunal de Justiça de Pernambuco. Inicialmente, o TJ-PE indeferiu o pedido. A associação recorreu e obteve decisão favorável do tribunal.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira (17) por Giovanni Sandes, colunista do "Jornal do Commercio", do Recife, e confirmada à reportagem pelo tribunal.

Segundo o TJ-PE, "o pagamento está condicionado à disponibilidade financeira e orçamentária da instituição para ser liquidado". "A repercussão financeira do auxílio-alimentação, que fora suprimido dos magistrados, é de aproximadamente R$ 7 milhões".

A assessoria de comunicação do TJ-PE informou que, "em decisão colegiada por maioria de votos, foi reconhecido o direito à percepção de pagamento de auxílio-alimentação nos períodos de afastamento, tais como férias".

"Todos os servidores do TJ-PE, assim como magistrados e servidores de outros tribunais, incluindo tribunais superiores, receberam o auxílio-alimentação, que agora foi reconhecido aos magistrados pernambucanos.".

O resumo da decisão -tomada por maioria pelo Órgão Especial do tribunal- será publicado no "Diário da Justiça" desta sexta-feira (18).

A Associação dos Magistrados de Pernambuco informou, em nota, que "fez o requerimento do TJ-PE visando corrigir uma injustiça", pois os magistrados do estado "eram os únicos que não recebiam o auxílio alimentação nas férias".

Segundo a AMEPE, "o Ministério Público e todos os tribunais do país já reconheciam esse direito".

"Não há nenhuma ilegalidade, pelo contrário, foi reparada uma injustiça em relação a esse benefício, que, inclusive, é concedido a todos os trabalhadores que recebem vale ou auxílio-alimentação", sustenta a entidade.

Em março, segundo revelou a Folha de S.Paulo, um ministro do Superior Tribunal de Justiça considerou "revoltante" a aprovação -pela Assembleia Legislativa de Pernambuco- de projeto de lei, de autoria do Poder Judiciário, que permite ao TJ daquele Estado aumentar os salários dos juízes a partir do auxílio-alimentação e do auxílio-moradia.

O ministro entendeu que o Conselho Nacional de Justiça deveria tomar providências e que o Supremo Tribunal Federal deveria suspender o que ele chamou de "imoralidade dos vencimentos extraordinários".

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Guilherme Uchoa (PDT), é juiz aposentado e foi reeleito seis vezes para comandar a Casa. (Folhapress)

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA