logomarcadiariodegoias2017

Petrobras. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
petrobras foto fernando frazao agencia brasil

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse nesta quarta (7) que não faz sentido em falar em privatização da Petrobras neste momento.

A afirmação foi feita em resposta a questionamento da imprensa sobre declaração do governador de São Paulo e pré-candidato à presidência, Geraldo Alckmin (PSDB), sobre uma possível privatização da estatal.

"Entendo que não é uma discussão que faça sentido neste momento da Petrobras", afirmou Parente, em encontro com a imprensa no Rio.

Ele alega que a empresa está passando por um processo de reestruturação financeira, que poderia ser prejudicado pelo debate sobre a privatização.

"Do ponto de vista da Petrobras, qualquer discussão sobre privatização teria efeito perturbador nesse processo", completou.

Parente lembrou ainda que pesquisas apontam resistência da população à proposta de privatização da petroleira. A sociedade brasileira não deseja a privatização da Petrobras.

Alckmin disse que há setores da Petrobras que podem ser vendidos e que, eventualmente, a empresa poderia ser privatizada no futuro.

No encontro com a imprensa, Parente manteve a meta de vender US$ 21 bilhões em ativos até o fim de 2018, com o objetivo de ajustar a dívida da estatal, processo que pressupõe a saída de setores considerados não essenciais, como biocombustíveis e fertilizantes.

O executivo que o valor pode ser até ampliado em US$ 5 bilhões, dependendo da cotação internacional do petróleo, mas que com o barril no patamar atual, em torno dos US$ 70, isso não seria necessário.

A companhia tem um portfólio de US$ 40 bilhões em ativos que podem ser vendidos, dependendo do cenário econômico.

O objetivo é reduzir a relação entre dívida e geração de caixa medida pelo Ebitda para 2,5 vezes até o fim do ano -no terceiro trimestre de 2017, estava em 3,23 vezes. (Folhapress)

Leia mais:

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

SEARCH