vassil 2017

Colunista

Vassil Oliveira

 

temer joesley batistaVamos falar de eleições diretas já?

O tema das Diretas Já voltou ao noticiário. As manifestações aumentaram e as razões cresceram, com as novas denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. Para quem ainda não acha essa saída a mais relevante, ou a menos pior, vai aí uma exposição de motivo que explica o contexto e comprova o vício inerente a um processo indireto de escolha do presidente da República neste momento:

– O Temer é o chefe da Orcrim da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique, Padilha e Moreira. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites. Então meu convívio com eles foi sempre mantendo à meia distância: nem deixando eles aproximarem demais nem deixando eles longe demais. Para não armar alguma coisa contra mim. A realidade é que esse grupo é o de mais difícil convívio que já tive na minha vida. Daquele sujeito que nunca tive coragem de romper, mas também morria de medo de me abraçar com ele.

Palavras de Joesley à revista Época neste final de semana. Os pingos nos is: a Câmara é o ambiente natural de uma organização criminosa, e quem atesta é o pagador das promessas políticas na Casa. Serão os acertos de 600 eleitores antes a vontade de quase 150 milhões de brasileiros aptos a votar.

Precisa dizer mais?

Fala, Joesley:

– O Eduardo (Cunha), quando já era presidente da Câmara, um dia me disse assim: “Joesley, tão querendo abrir uma CPI contra a JBS para investigar o BNDES. É o seguinte: você me dá R$ 5 milhões que eu acabo com a CPI”. Falei: “Eduardo, pode abrir, não tem problema”. “Como não tem problema? Investigar o BNDES, vocês.” Falei: “Não, não tem problema”. “Você tá louco?” Depois de tanto insistir, ele virou bem sério: “É sério que não tem problema?”. Eu: “É sério”. Ele: “Não vai te prejudicar em nada?”. “Não, Eduardo.” Ele imediatamente falou assim: “Seu concorrente me paga R$ 5 milhões para abrir essa CPI. Se não vai te prejudicar, se não tem problema… Eu acho que eles me dão os R$ 5 milhões”. “Uai, Eduardo, vai sua consciência. Faz o que você achar melhor.” Esse é o Eduardo. Não paguei e não abriu. Não sei se ele foi atrás. Esse é o exemplo mais bem-acabado da lógica dessa Orcrim.”

Mais um pouco:

– “Lúcio (Funaro) fazia a mesma coisa. Virava para mim e dizia: “Tem um requerimento numa CPI para te convocar. Me dá R$ 1 milhão que eu barro”. Mas a gente ia ver e descobria que era algum deputado a mando dele que estava fazendo. É uma coisa de louco.”

 

Leia mais sobre:

BUSCA