vassil 2017

Colunista

Vassil Oliveira

 

temer michel

O presidente Michel Temer está liberando emendas para aliados fiéis e demitindo do governo aqueles nomes indicados por parlamentares rebeldes, que não estão dispostos a votar a reforma da Previdência que ele quer. E as profundas mudanças na legislação trabalhista, diga-se.

Sem tirar nem por: o presidente joga duro com sua base e contra os adversários na Câmara dos Deputados e no Senado. Aos aliados, tudo; ao resto, a mão pesada do governo.

Essa é a noticia escancarada, reproduzida por sites e jornais, na TV e no rádio. Sempre acompanhada de análises detalhadas, que vão na linha 'ele vai conseguir', 'ele não vai conseguir' aprovar sua pauta.

Tem até torcida organizada nas redes e nos comerciais pagos, destinados a convencer para Michel poder vencer.

Bem e mal, em todos os canais e veículos muito se fala de Temer como fato e farto em sua ação presidencial com a caneta cheia de tinta na mão.

Enquanto isso, pouco se fala do que, em tese, colocou o povo na rua, e que sustenta a ação do presidente: a repulsa ao velho e nada bom toma-lá-dá-cá, à política do fisiologismo, da barganha, da compra de apoio no Congresso.

Sem meias palavras, porque sem disfarce, Michel Temer faz o jogo sujo do mal público, condenado até outro dia, e ninguém fala disso, só fala de sua habilidade em fazer bem o jogo sujo - como se diz (na propaganda), necessário para um país melhor.

Não há povo na rua contra a prática de hoje; houve contra a prática anterior. Como não há percepção do que se está (des)construindo com as reformas em curso, porque o que importa é… que estava tudo errado, embora estivesse tudo - ou muita coisa - certo.

E os parlamentares que aprovaram o impeachment em nome da moralização da política, o que fazem?

O de sempre, independente de quem está no governo: negociam o voto. Por que fariam diferente, se tudo mudou para não mudar nada?

Em curso desde tempos imemoriais, segue a todo vapor a política do benefício público por conveniência. Conveniência do eleito, conveniência do eleitor.

Se tem verba, deputado e senador votam de um jeito; se não tem verba, votam de outro. Depois discursam para o povo, que, como eles, da boca pra fora é um, e da boca pra dentro… bem, ninguém é perfeito.

Temer sabe das coisas. Sabe que o Brasil, na teoria, é um, e na prática, é outro.

Nem disfarça. Quem disfarça é aquele que vai para a rua cobrar uma coisa mas elege e apoia outra: a mesma.

Temer é o presidente que melhor representa o povo brasileiro neste momento: é o avesso de si mesmo.

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA