vassil 2017

Colunista

Vassil Oliveira

 

b_350_0_16777215_00_images_stories_imagens_2017_marco_caiado_e_ze.jpgRonaldo Caiado começou a semana com palanque armado em Rio Verde, animou-se com ataques na tribuna do Senado ao governo de Goiás, mas nesta quinta-feira o fôlego já não era o mesmo.

Caiado apanhou de todos os lados. Sua reação? Apenas reforçou o que já tinha dito.

O outro lado, ao contrário, cresceu na adversidade do confronto.

O vice, José Eliton (PSDB), usou o episódio para mostrar disposição para a guerra. O governador Marconi Perillo (PSDB), para reforçar a imagem de seus feitos na administração.

Leia mais: 

José Eliton e Ronaldo Caiado sobem o tom da pré-campanha e polarizam a disputa; O PMDB assiste 

Ao longo do dia, Caiado sofreu contra-ataques de várias frentes.

De um prefeito do PMDB, partido que busca ter como aliado na campanha para governador.

Leia aqui: 

Prefeito do PMDB rebate declarações de Caiado sobre recursos da venda da Celg 

De um deputado do PSD, que fala em candidatura própria ao governo mas negocia com o PSDB.

Leia aqui:

Thiago afirma que Caiado é incoerente 

E, mais forte e mais sintomático, das entidades que representam os prefeitos.

Leia aqui:

AGM e FGM repudiam declarações de Caiado sobre convênios das prefeituras com governo de Goiás

Cabos eleitorais estratégicos para 2018, os prefeitos são os que mais sofrem com a falta de recursos, portanto os que mais anseiam por parceria.

Exatamente o que o governo tratou de reforçar.

Leia aqui:

Marconi apresenta plano de investimentos com recursos da venda da CELG no dia 30

No final do dia, o governador Marconi Perillo fechou a conta da reação. Assinou convênio para melhorar a efetividade de ações públicas com administrações municipais.

Leia aqui:

Governo e prefeituras firmam convênio para melhorar efetividade de ações públicas

E aqui:

Prefeitos elogiam disposição de Marconi em ajudar municípios

Por fim, o tucano mostrou números e informações positivos do governo, reforçando seu discurso.

Alguns:

- expansão de 2,4% da indústria goiana em janeiro, enquanto a média nacional registrou queda de 0,1%, na comparação com o mesmo período;

- 6.849 mil empregos com carteira assinada em fevereiro;

- 12.202 novos empregos em janeiro e fevereiro;

“Em meio à crise nacional, Goiás vive uma situação econômica mais equilibrada que a de estados como Rio de Janeiro – com a saúde em caos e servidores e aposentados sem receber – e Rio Grande do Sul, com atrasos do funcionalismo. Não por sorte, mas por visão administrativa somada a ações duras, mas necessárias”, bradou o governador.

Tudo somado, Caiado acabou por passar recibo do crescimento do nome de José Eliton como candidato a governador e do que o governo pode comemorar como bem-sucedida parceria com os prefeitos.

Leia mais sobre:

BUSCA