samuel

Colunista

Samuel Straioto

 

Projeto prevê que guarda entre de graça no Serra Dourada, por exemplo. (Foto: MPGO)
estadio serra dourada foto mpgo

Está em tramitação na Câmara Municipal de Goiânia, projeto de lei de autoria do vereador Jair Diamantino (PSDC) que visa permitir que guardas civis metropolitanos entrem de graça em eventos culturais, artísticos e esportivos na capital. Por exemplo, o guarda poderá entrar sem pagar em partidas nos estádios Serra Dourada e Olímpico. A matéria está apta para ser votada em plenário.

O autor do projeto justifica que da mesma forma que os policiais tem direito de não pagar entrada, os guardas civis metropolitanos também tem.

“A partir da lei 13022 o Guarda Municipal realmente se tornou polícia. Assim como o policial militar, o policial civil tem direito nesses eventos, achei por bem apresentar projeto de em que eles tem direito de entrar nestes eventos sem cobrança. Não há porque tem diferenciação entre policiais e guardas policiais”, afirmou o autor do projeto.

Questionado pela reportagem sobre o custo, (afinal quem paga o valor total do ingresso em um jogo de futebol, por exemplo, acaba por cobrir as gratuidades). Jair Diamantino entende que há um custo benefício pelo fato de o guarda poder colaborar com a segurança, mesmo estando de folga.

“Isso não vai onerar em praticamente nada. Se você for ao Estádio Serra Dourada em um jogo de futebol, a quantidade de guardas é pequena. Não vai pesar muito. Um policial nunca deixa de ser policial, independente se estar trabalhando ou não. O policial tem a obrigação de agir. Ele pode até estar de diversão, mas pode estar trabalhando”, disse.

O presidente da Agência da Guarda Civil Metropolitana, José Eulálio Vieira, pensa de forma semelhante ao vereador Jair Diamantino. Ele argumentou que guardas civis podem atuar na segurança mesmo quando estão de folga.

“É um projeto de grande valia, pois hoje a Guarda Civil faz o mesmo serviço de polícia. Hoje pela lei 13022, a Guarda Civil é polícia. Pelo trabalho que desempenhamos, temos que ter o mesmo direito. Eu acho justo, pois nós fazemos o trabalho da prevenção a criminalidade nas proximidades do estádio e nos parques que ali a população frequenta no dia a dia de jogo. Esta situação de custo não vem ao caso, até porque o trabalho que a Guarda faz com policiamento, cobre todo este custo. O Guarda Municipal é um policial. Onde ele estiver pode ser cobrado e ele tem que dar atenção ao munícipe”, destacou.

O projeto está para ser analisado em primeira votação no plenário da Câmara Municipal de Goiânia.

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA