samuel

Colunista

Samuel Straioto

 

Veneno foi jogado em buracos na Praça do Trabalhador (Foto: Samuel Straioto)
buraco de rato praca do trabalhador

Já faz muito tempo que ratos tomam conta da Praça do Trabalhador. Já faz muito tempo que o local está completamente abandonado. Já faz muito tempo que não se dá a devida atenção para um lugar que já foi um dos principais pontos da cidade. Já faz muito tempo que o poder público não dá a mínima para este espaço que está bem na região central da cidade.

Os ratos estão ali por conta de um desordenamento urbano. Comerciantes deixam lixo, quem apenas circula por ali, também não colabora. O lixo fica, o rato agradece. A prefeitura não organiza a Feira Hippie, não fiscaliza o comércio clandestino que ficar ali diariamente. A prefeitura é omissa e tem medo de enfrentar o problema há muitos anos.

O Estado também é omisso e negligente. Deixa correr solto a fiscalização de ônibus e carros clandestinos. Basta circular a pé pela região e ouvir um “Brasília- Brasília”. Nada é feito e parece que não há interesse em se resolver o problema.

A origem de todo o problema foi a construção da Rodoviária de Goiânia de forma errônea e equivocada no lugar em que ela está. A ferrovia era tida de maneira equivocada como um obstáculo entre as regiões norte e sul da cidade. Hoje, poderia ser importante via de ligação entre as áreas Leste e Oeste.

O Poder Público uniu forças: União, Estado e Município e cada um ajudou a destruir o complexo ferroviário existente, expulsou dali, famílias, não houve uma reorganização. Foi dado espaço para que o crime tomasse conta da região, furtos, roubos, tráfico de drogas e até homicídios.

Houve a promessa de se restaurar a Estação Ferroviária via PAC Cidades Históricas, com a tal crise econômica reclamada pelos governos, o projeto ficou barato e a estação completamente deteriorada e abandonada.

O retrato do esquecimento é a quantidade de ratos que hoje a prefeitura tenta eliminar. Se nada for feito efetivamente, será apenas uma solução paliativa. O que se precisar é devolver a vida a Praça do Trabalhador.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA