rafaela bessa

Colunista

Rafaella Bessa

 

quem ama educaO texto de hoje é direcionado para pais, mães, educadores, gestores, formadores e a quem interessar sobre a formação humana que de alguma forma participa do desenvolvimento de pessoas!

A bibliografia inspiração do texto de hoje é o livro QUEM AMA EDUCA! de IçamiTiba onde ele relata sobre a arte de criar e educar cidadãos do bem nos tempos atuais!

Para o autor o grande problema (eu digo desafio) dessa geração resulta na incapacidade de lidar com frustrações, que se transpõe para os relacionamentos sociais. Se algo não dá certo com uma pessoa, as criancinhas a agridem, deixam-na de lado, buscam outra. Descartam-na como se fossem videogame. Pessoas descartam uma às outras, pais abandonam filhos com facilidades; o que vale é SATISFAZER O OBJETIVO PESSOAL; REINA O INDIVIDUALISMO. As grandes empresas descartam pessoas como se fossem máquinas de produzir. Em vez de investir, educar, preparar, melhorar a formação e oferecerem treinamentos, trocam-nas e pagam um salário mais baixo as outras.

"Há muita mão-de-obra disponível", prega-se a cartilha do capitalismo selvagem. Pessoinhas fazem seu capitalismo pessoal. Vangloriam-se de quanto namoraram e beijaram tornando-se "Serial Kisses". Abandonam quem não as satisfazem e passam a agir como piratas, extraindo o máximo que podem de pessoas e situações. Terminando o saque, mudam de alvo. Não preservam o quarto, o local de trabalho, a família. Detonam tudo pelo caminho. Mas nem tudo está perdido. QUANDO HÁ AMOR, CAPACITAÇÃO E BOA VONTADE, O RUMO DA HISTÓRIA PESSOAL PODE SER MELHORADO..." Este trecho valeu o livro ,diz muito sobre o contexto aqui trabalhado hoje (Página 240)! Tocou profundamente, remeti logo na formação dos meus filhos!

O Convite à reflexão é (especialmente Pais e Mães), dêem seu melhor, desafiem-se a deixarem marcas positivas, transformadoras nas histórias de pessoas que passam em vossas vidas! Lutemos por um mundo digno, por uma educação coerente, por valores éticos e cristãos, deixemos de ser fúteis e cegos na visão educacional, vamos ensinar nossos filhos a darem valor ao que realmente têm-se valor por exemplo no amor ao próximo, no exercício da empatia, no espírito de ajuda, no partilhar, na caridade, no doar genuíno, na vontade de aprender, na prática do nossos talentos, nas renúncias...

Vamos ao desafio diário de desenvolver pessoas, não somente criar mais educar, participar e fazer toda a diferença positiva na construção deste legado!

Você pode, você consegue!

Ótima semana e Boas práticas!

Rafaella Bessa!

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA