marcley matos

Cenário Geral

Marcley Matos

 

papa franciscoO  Papa Francisco na mensagem enviada aos participantes da 40ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)

Para o Papa, a fome e a desnutrição não são fenômenos naturais ou estruturais de determinadas áreas geográficas, mas o resultado de uma complexa condição de desenvolvimento, causada pela inércia de muitos ou pelo egoísmo de poucos.

“As guerras, o terrorismo, os deslocamentos forçados não são fruto da fatalidade, mas consequência de decisões concretas”

Leia toda a mensagem do Papa

MENSAGEM DO PAPA FRANCIS 
PARA SESSÃO DE ABERTURA 40.ma CONFERÊNCIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS 
PARA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO [FAO]

Sr. Presidente ,

Tenho o prazer de dirigir a minha respeitosa e cordial saudação a você, bem como para cada um de vós, representantes dos membros da FAO, reuniões para a 40ª Conferência da Organização.

Dirijo a minha saudação ao Diretor Geral da FAO e chefes de outras organizações internacionais presentes nesta reunião, chamados a dar respostas precisas para o setor agrícola e alimentar, ao qual as expectativas de milhões de pessoas.

1. Não sendo capaz de estar entre vós neste momento, de acordo com a tradição estabelecida desde a liquidação da FAO em Roma, pedi Cardeal Pietro Parolin , Secretário de Estado, para levar a minha palavra de encorajamento e de apoio, e para expressar todo o meu respeito ea minha consideração para a árdua tarefa que você precisa realizar.

A Santa Sé segue com grande atenção o negócio internacional e quer ajudar a orientar-lo para promover não apenas um avanço teórico ou objectivos de desenvolvimento, mas a efetiva eliminação da fome e da desnutrição. Estamos todos conscientes de que não apenas a intenção de garantir que todo o seu pão de cada dia, mas você deve reconhecer que todos têm o direito e devem beneficiar. Se os objetivos propostos contínuas ainda estão longe, muito dependente da falta de uma cultura de solidariedade que não consegue fazer incursões em atividades internacionais, que são muitas vezes ligados apenas ao pragmatismo das estatísticas ou o desejo de eficiência sem a ideia de partilha .

O compromisso de cada país para aumentar o seu nível de nutrição, para melhorar a atividade agrícola e as condições das populações rurais, se concretiza a impulsionar o setor agrícola, no aumento da produção e na ativação de distribuição eficaz de alimentos. Mas isso não é suficiente. Na verdade, isso requer a considerar cada dia que o direito de cada pessoa a ser livre da pobreza e da fome é dependente do dever de toda a família humana para fornecer ajuda prática para os necessitados.

E então, quando um país é incapaz de fornecer respostas adequadas, porque eles não permitem que você o grau de seu desenvolvimento, sua pobreza, as alterações climáticas ou situações de insegurança, é necessário que a FAO e outras instituições intergovernamentais são colocar em uma posição de intervir especificamente para realizar uma acção de apoio adequada. A partir do conhecimento que os bens confiados a nós pelo Criador são para todos, é urgente que a solidariedade é o critério subjacente a todas as formas de cooperação nas relações internacionais.

2. Um olhar sobre o estado do mundo não fornece imagens consoladoras. No entanto, ele não pode, ficar apenas preocupado e talvez resignado. Este momento de dificuldades aparentes deve fazer-nos ainda mais conscientes de que a fome ea desnutrição não são apenas fenômenos naturais ou estruturais em determinadas áreas geográficas, mas são sim o resultado de uma condição mais complexa do subdesenvolvimento causado pela inércia de muitos e de 'egoísmo de poucos. Guerras, terrorismo, deslocamentos forçados de pessoas cada vez mais impedir ou influenciar, pelo menos fortemente as mesmas atividades de cooperação, elas não são a inevitabilidade, mas sim o resultado de escolhas específicas.

É um mecanismo complexo que afeta principalmente os mais vulneráveis, não só excluídos dos processos de produção, mas muitas vezes forçados a deixar suas terras em busca de refúgio e esperança de vida. Quão bem eles são determinados por decisões tomadas em plena liberdade e consciência Os dados para a ajuda aos países pobres, que estão cada vez mais reduzidos, apesar dos apelos que se sucedem em face da crise mais e mais destrutiva que se manifestam em diferentes áreas de planeta.

Devemos entender que, nestes casos, a liberdade de escolha de cada um está ligado a solidariedade para com todos, em relação às necessidades, através da implementação de boa fé os compromissos assumidos ou anunciados. A este respeito, também impulsionado pelo desejo de encorajar os governos, eu gostaria de participar com uma contribuição para o programa FAO para fornecer sementes para famílias rurais que vivem em áreas onde você adicionou os efeitos do conflito e da seca. Este gesto contribui para o trabalho que a Igreja leva adiante de acordo com sua vocação para estar ao lado dos pobres da terra e para orientar o compromisso ativo de todos em seu favor.

Este compromisso é exigido de nós hoje " Agenda de Desenvolvimento em 2030 , quando reafirma o conceito de segurança alimentar como uma meta não será mais adiada. Mas apenas um esforço de solidariedade genuína será capaz de apagar o número de pessoas subnutridas e sem as necessidades da vida. É um desafio muito grande para a FAO e todas as instituições da comunidade internacional. Um desafio em que a Igreja se sente na primeira fila.

Espero, portanto, que as sessões desta conferência pode dar um novo impulso para a Organização e para fornecer essas ferramentas desejados e esperados por milhões de nossos irmãos que vêem em ação FAO não é apenas um contributo técnico para aumentar os recursos e distribuir os frutos da produção, mas também um sinal concreto, muitas vezes sola de uma fraternidade que lhes permite ter confiança no futuro.

A bênção de Deus todo-poderoso, rico em misericórdia sobre você e sobre o seu trabalho e dar-lhe a força necessária para ajudar o autêntico progresso da família humana.

Do Vaticano, 03 de julho de 2017

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA